O meu percurso no mundo do Fitness

Apesar de me definir como uma blogger mais associada a uma alimentação saudável, recebo sempre algumas questões relacionadas com o exercício físico. Por isso, hoje vou falar-vos um pouco do meu percurso no mundo do Fitness, porque sei que muitos de vocês têm essa curiosidade 🙂

Nunca fui aquela pessoa que desde sempre adorou ir ao ginásio. Em criança e adolescente pratiquei natação e dança, mas não era muito dada a outro tipo de desporto. Para mim, a música sempre foi mais importante e  dedicava-me sempre mais às aulas de piano. Aos 16 anos, comecei a praticar Yoga e sempre fui mais ligada a isso. Odiava correr, máquinas de ginásio, cardio, etc. Nunca me consegui motivar para trabalhar o meu corpo, fazia-o apenas através da alimentação. Sim, desde os meus 15 anos que tenho uma alimentação mais cuidadosa, em fases até demasiado restrita (e isto não é saudável), até começar a ser vegetariana. Entretanto, aos meus 21 anos deixei o vegetarianismo de lado, mas confesso que é muito raro comer carnes vermelhas.

Voltando à parte do fitness… Um dia descobri o Tumbrl e comecei a seguir de perto miúdas com um corpo tonificado e que praticavam exercício físico, sobretudo musculação. Isto abriu-me os olho e fez-me, pela primeira vez na vida, desejar ser definida, ao invés de magra! Sempre me preocupei muito com o meu peso, passar a barreira dos 45kg era demais, mas isto mudou completamente há uns anos atrás. Foi então que me comecei a interessar por frequentar um ginásio. 

Ao início fazia aulas, principalmente Total Condicionamento e MIB (made in Brasil – com foco nos glúteos, pernas e abdominais). Nunca me aventurei muito em pesos devido a problemas que tenho na coluna, mas assim que comecei a aprender as técnicas, senti-me à vontade para o fazer. Comecei com umas aulas de PT, onde aprendi muito, e lancei-me sozinha nas salas de musculação!

Procurei imenso na internet sobre o assunto, fiz vários planos de treinos e comecei a progredir. O que me motivava eram as mudanças que via no meu corpo e o saber que, afinal, eu era capaz de me superar! Essa sensação de “eu consigo!” é das melhores que podemos ter. Dá-nos amor-próprio, auto-estima e auto-confiança. 

Uma das coisas que considero mais importantes é termos paciência com os resultados. Primeiro, porque temos corpos e genéticas diferentes, o que faz com que cada um de nós tenha o seu próprio timing para fazer com que os resultados apareçam. E depois, porque só com muita paciência conseguimos continuar. Vão haver fases melhores e piores, fases com mais e menos motivação. Vamos errar muitas vezes, dar passos atrás e outros para a frente, mas isso faz parte do processo 🙂 O importante é não desistirmos e fazermos isto, não só para o nosso corpo mas, também, para a nossa mente.

Por fim, algo que acho muito relevante é criarmos uma rotina e percebermos quando o nosso corpo está mais preparado para treinar. Eu, por exemplo, não gosto de treinar logo de manhã cedo, nem ao fim do dia. A minha hora ideal é durante a hora de almoço, é também quando me é possível. cada um tem que adaptar à sua realidade. Acima de tudo, nunca desistam!

Um beijinho,

Anita

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado.